15 de agosto de 2011

Entrevista com a banda Gamedley


Entre os dias 20 e 21 de agosto acontece o AnimeRS, na Faculdade Unilasalle, em Canoas. Entre as bandas que tocarão no evento, está a gaúcha Gamedley, que eu particularmente não conhecia. Por isso, trago hoje uma entrevista com os guris para que vocês também conheçam o trabalho do grupo :)

Integrantes da banda:
Matheus Heberlê (guitarra)
Vinícius Cunha (guitarra)
Otávio Folharini (baixo) e
Raphael Bacchieri (bateria)

Fale um pouco sobre a história da banda:
Antes da Gamedley, Matheus, eu (Otávio), Raphael e Vinícius éramos amigos de colégio. Eu, Raphael e Matheus tocávamos juntos em uma banda de metal progressivo, em 2008. No nosso primeiro show, o vocalista simplesmente não apareceu, e fomos forçados a tocar nossas músicas apenas de forma instrumental. Entre essas músicas, estavam as medleys Random e Mario Medley, que tocamos até hoje com a Gamedley.
Alguns meses depois do ocorrido, Matheus teve a ideia de formar a Gamedley e logo me ligou para pedir apoio. Sem pensar duas vezes, aceitei o convite e iniciamos ali a composição de arranjos e gravação de duas músicas: Symphony of the Night, que é uma medley de Castlevania; e Those who Fight, trilha sonora de batalha do Final Fantasy VII. Satisfeitos com os resultados, convidamos Raphael, um baterista que já conhecíamos a qualidade do trabalho, e posteriormente Vinícius, pela necessidade de outra guitarra e também pela sua habilidade. Por volta de 2009, com a segunda edição do AnimaTRI por vir, surgiu nossa primeira oportunidade de fazer um show com a Gamedley. Não havia mais vagas para bandas, mas abriram uma exceção, fazendo com que aquele tenha sido um show inesquecível. Desde então, seguimos nosso trajeto com shows pelo Estado, como Bagé (Japan Project), Porto Alegre (Anime Rock), e Pelotas (duas edições do AnimaTRI e Aquecimento AnimaTRI) tendo como objetivo fazer o público entrar em um túnel do tempo repleto de nostalgia e saudade.

O que acham das músicas de videogame e porque escolheram essas para tocar?
As músicas de videogame, além de serem ótimas, muitas vezes são as responsáveis por imortalizar um jogo. Algumas delas com um tom épico, como The Opened Way (trilha de Shadow of the Colossus), causam ainda mais impacto pelo sentimento expressado nos arranjos.

Que músicas de games vocês tocam?
Tocamos músicas desde o clássico Mario até Shadow of the Colossus, Silent Hill, entre outros. Ainda tem as trilhas sonoras de Street Fighter (Guile e Ryu), que tocamos uma após a outra, Tetris, Top Gear, e muito mais!

O que as pessoas falam da iniciativa?
A grande maioria apóia a iniciativa, justamente porque não há bandas desse gênero aqui no Sul. Apóiam tanto que algumas bandas de anime estão começando a tocar umas músicas de jogos.

Qual foi o momento mais marcante da banda?
Na viagem para o Japan Project, em Bagé, foi um momento importante para a banda, por ser nosso primeiro show fora de Pelotas. A viagem foi inesquecível! Juntamente com a Alexfull e Gafanha, vocalista da Page Beck Fan Band, nos divertimos muito tanto na ida, quanto na volta. Sem falar no momento em que estávamos em Bagé, que o tratamento que recebemos dos organizadores foi inexplicavelmente bom.

Que projetos a banda tem para o futuro?
Nosso principal plano para agora é a gravação de um EP, com as melhores e mais marcantes músicas. Nossa ideia é fazer um encarte com informações das músicas e da Gamedley.

Vocês acreditam que, hoje, as pessoas têm mais contato com bandas que tocam game music, eventos, etc, ou ainda é preciso maior divulgação?
Só não tem tanto contato com esse tipo de banda justamente porque não há muitas no ramo. A grande maioria são bandas de anime que tocam algumas músicas de jogos de vez em quando. Porém, quando temos a oportunidade de mostrar nosso trabalho para o público, a resposta é incrivelmente boa. A nostalgia e a surpresa da forma em que a música foi transcrita são os principais fatores das respostas positivas.

O que a banda acha do cenário da game music no mundo e no Brasil. O que acham das outras bandas e quais conselhos dariam pra quem está seguindo nesse caminho?
O cenário aqui no Brasil ainda é muito pequeno, justamente pela pequena variedade de bandas que focam nesse estilo. É um estilo que merece ter maior investimento, visto que existe uma imensa variedade de músicas para se tocar. Conheço apenas duas bandas do estilo: a 8 Bit Instrumental e a GameBoys. A qualidade do trabalho deles é ótima! Confesso que carrego algumas músicas deles em meu mp3 player e ouço sempre que possível!

Links e contato:
E-mail: gamedley@bol.com.br
Site: http://www.gamedley.com
Twitter: @Gamedley
Youtube: http://www.youtube.com/user/TheGamedley


0 comentaram e ganharam pontos:

Postar um comentário